Busca
Enquete
Você se preocupa com as mudanças climáticas e a proteção do meio ambiente?
Sim, e procuro causar o menor impacto possível ao meio ambiente, inclusive separando o lixo
Não, e prefiro deixar esse problema para as futuras gerações
Ainda não pensei sobre esse assunto

Parceiros
Siga-nos do Twitter
Colunistas
Livre como um pássaro
Postado por: Camila Xavier

Referência mundial em vôo livre, o Rio de Janeiro é certamente uma das cidades mais belas para sobrevoar. Quem nunca experimentou um salto duplo de asa-delta não sabe como é gostosa a sensação de se sentir livre como um pássaro. O ar é muito frio, a visão é estupenda e a tranqüilidade é relaxante. É uma mistura de adrenalina e calmante. Ao contrário da maioria dos esportes radicais, que proporcionam adrenalina na descida, como o bungee jumping, sky dive e o pára-quedismo, a asa-delta proporciona adrenalina na subida. Poder subir mais e mais, ficar bem pertinho do céu, é sem dúvida uma sensação de liberdade inigualável.

Embora muitos tenham dúvidas, voar de asa-delta é bem seguro. Aqui no Rio, a maioria dos vôos duplos acontece na Pedra Bonita, localizada no Parque Nacional da floresta da Tijuca. Antes de iniciar o vôo o passageiro e o piloto sempre treinam a corrida no plano, sem a asa. Na hora da decolagem, piloto e passageiro ficam lado a lado e iniciam a corrida. Essa é a hora fundamental. Nesse momento, o passageiro não pode parar de correr, senão o piloto terá que arrastá-lo, o que não é nada legal. Após o final da rampa, ambos assumem naturalmente a posição de vôo, que é deitada. O piloto assume todo o comando da asa, enquanto o passageiro aprecia a belíssima paisagem da praia de São Conrado, Ipanema, Lagoa Rodrigo de Freitas, Barra da Tijuca, Baía de Guanabara, Pão de Açúcar e o Cristo Redentor. É realmente uma vista panorâmica da cidade do Rio de Janeiro. Geralmente os pilotos adaptam uma câmera fotográfica na asa para registrar o passageiro em pleno vôo. A aventura dura entre 10 e 20 minutos dependendo das condições do vento. Quando vem se aproximando a hora do pouso, o piloto libera a perna do passageiro do equipamento para que ele fique novamente de pé. Ao chegar ao solo, o piloto dá o "stol" final na asa, parando-a.

Mas não para por aí não, o grande desafio do vôo livre é vencer a gravidade através das térmicas e com isso realizar vôos de longa distância. Você sabia que é possível voar centenas de quilômetros em uma asa-delta em um único vôo? Isso só é possível para aqueles que voam solo. O piloto decola procurando correntes de ar quentes ascendentes, conhecidas como térmicas. Quando ele as encontra, fica voando em círculos para ganhar altura, como fazem os urubus. Portanto, aqui vai à dica: quer esquecer os problemas? Deixar um pouco as preocupações de lado? Se desligar por um instante do mundo e viver uma aventura surpreendente? Sinta-se como um pássaro e embarque neste vôo. Voar libera adrenalina, desestressa e acalma o espírito!








Comente esta matéria
Nome:
E-mail:
Comentário:
Informe as letras e número ao lado:
Comentários
  • Nick - 29/07/2010
    mundonick@gmail.com

    Isso sim é aventura!! Adrenalinaaa totallll !!! =) Parabéns Camila! Adoro suas crônicas, são sempre vibrantes e bem explicativas.
  • Julia Cavalcanti - 26/06/2010
    julia.cavalcantix@gmail.com

    Ótima matéria! Já saltei de asa delta e é exatamente uma mistura de adrelina na hora do salto e logo depois uma paz incrível. Parabéns.
  • Sharlene - 14/06/2010
    sharleneks@yahoo.com.br

    Descrição muito boa sobre o voo. Principalmente pra quem quer saltar de asa delta mas tem medo como eu. Mas depois dessa explicação concisa meu medo diminuiu e me deixou mais tranquila. Bjssss
  • Charles - 08/06/2010
    cassis@oi.com.br

    Show, mto maneira as dicas!! Faltou a trilha no fundo rolando uma boa música...rsr Mto vibrante e detalhada a explicação...abs...
© Copyright 2000-2015 Trilhas RJ - Todos os direitos reservados