Busca
Enquete
Você se preocupa com as mudanças climáticas e a proteção do meio ambiente?
Sim, e procuro causar o menor impacto possível ao meio ambiente, inclusive separando o lixo
Não, e prefiro deixar esse problema para as futuras gerações
Ainda não pensei sobre esse assunto

Parceiros
Siga-nos do Twitter
Econotícias
Ibama proíbe pesca e venda da sardinha-verdadeira do RJ a SC

Atualizado na segunda-feira, 02 de novembro de 2015 - 16:01hs

Rio de Janeiro/RJ – O principal recurso pesqueiro do estado do Rio de Janeiro, a sardinha-verdadeira, está com sua captura suspensa desde o dia 01/11, quando começa o período de defeso para a reprodução da espécie nas regiões sul e sudeste do país.

A medida, estabelecida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), vai até o dia 15 de fevereiro e inclui o transporte e a comercialização da sardinha-verdadeira na faixa de litoral do Rio de Janeiro até Santa Catarina.

De acordo com dados da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), a espécie representou mais de 61% da produção pesqueira fluminense monitorada em 2014, com 46 mil 931 toneladas desembarcadas.

A cada ano, são dois os períodos de paralisação da pesca da sardinha-verdadeira. O primeiro ocorre de 15 de junho até 31 de julho, período necessário para que os peixes jovens atinjam o tamanho de 17cm, ideal para a captura.

Para o biólogo marinho Augusto Pereira, diretor de Pesquisa e Produção da Fiperj, o defeso proporciona a recuperação dos estoques e a manutenção da rentabilidade da pesca para as futuras gerações. "Sem a interrupção, a reprodução fica ameaçada, consequentemente a renovação dos estoques, essencial para sobrevivência das comunidades pesqueiras".

Durante a paralisação, quem depende exclusivamente da pesca pode solicitar ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) o seguro-defeso de um salário mínimo mensal. Para isso, o pescador profissional, além de estar inscrito como segurado especial no INSS, deve ter o Registro Geral da Atividade Pesqueira (RPG), antes emitido pelo Ministério da Pesca e Aquicultura e agora, com a extinção da pasta, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Um outro defeso teve início no domingo (01/11) no estado do Rio de Janeiro, com o mesmo objetivo de preservação de espécies nativas, só que voltado para peixes de água doce. A iniciativa atinge a Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, que cobre uma área de 57 mil km² dos estados do Rio, São Paulo e Minas Gerais, totalizando 184 municípios.

Segundo a Fiperj, no território fluminense a proibição das atividades pesqueiras na Bacia do Paraíba do Sul abrange não só a pesca profissional e amadora, mas também as competições até 18 de fevereiro. O período entre a primavera e o verão é a época em que os peixes nadam contra a correnteza para desova e reprodução.

Ainda no estado do Rio, terminou no sábado (31/10) o defeso na Lagoa de Araruama, na Região dos Lagos, considerada o maior complexo lagunar de água salgada do mundo, com 220 km². Desde 1º de agosto, estava proibida a captura de qualquer espécie na lagoa, independente da forma de pesca utilizada - vara, linha ou redes.

A fiscalização nos períodos de defeso fica por conta de agentes do Ibama, do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), da Marinha do Brasil, do Batalhão Ambiental da Polícia Militar e de guardas municipais.

Quem é flagrado infringindo a norma pode sofrer penalidades legais, que vão de multa até a perda do equipamento e do pescado.

Fonte da Matéria: Portal Terra - Agência Brasil / Foto: Instituto Ciência Hoje

© Copyright 2000-2015 Trilhas RJ - Todos os direitos reservados